A triste história de Nicolau – Parte 1

Padrão

Por André Viana, 14 anos.

O ano era 1991, o pobre garoto Nicolau acabara de nascer, ele não sabia o que viria pela frente. Ele era fruto de uma relação entre Rogério Rego e Silvia Cintilante, que lhe deu o nome de Nicolau Rego Cintilante.

Silvia era uma faxineira que trabalhava na casa de Rogério, que era antropólogo. Rogério nunca deu atenção á seu filho Nicolau, e demitiu Silvia assim que soube que ela estava grávida, nunca pagou pensão, e abandonou assim Silvia e o pequeno Nicolau. Silvia era um tanto quanto devagar e nunca correu atrás da pensão, que era sua por direito e se contentava com seu salário mínimo. No entanto, Nicolau era um garoto sonhador, e sempre perseguiu seus sonhos, era muito persistente e tinha idéias inovadoras. Ele estudava em uma escola pública do interior e sofria bullying graças á seu nome, que era de considerado “exótico”

Nicolau Rego Cintilante era um prodígio em música, ele era fascinado pelas melodias e quando era uma criança e conseguiu dinheiro engraxando sapatos de executivos e homens de negócios, foi logo comprar seu primeiro violão. Nicolau rapidamente aprendeu a tocar o instrumento sozinho e logo deixou de engraxar sapatos e começou a ganhar seu dinheiro com a sua música (que era um pouco mais lucrativo) e logo a notícia de um garoto sonhador que ganhava a vida com música se espalhou, e ele foi juntando mais e mais dinheiro.

Nicolau sempre teve uma forte ligação com a natureza, e passava tempos nas florestas “conversando” com seus amigos macacos. Um dia, Nicolau teve a idéia de mostrar a seus amigos primatas o som de seu violão, e começou á tocá-lo. Nicolau observou que os macacos dançavam ao som da música sertaneja, e não pensou duas vezes, fez o que era tão óbvio: montou um exército de macacos treinados para matar comandados pela música sertaneja. Nicolau passou meses treinando os macacos e aumentando seu exército, que chegou á 138 chipanzés musculosos e com sede de vingança.

Silvia estava á beira da morte, com um fungo no dedão, que pegara lavando privadas e Nicolau estava com uma quantidade razoável de dinheiro, mas precisou tomar uma séria decisão: salvar sua mãe, ou se vingar dos garotos que tiraram sarro do seu nome na escola. Nicolau sempre apresentou sinais de psicopata e em uma atitude egoísta, largou sua mãe e comprou um armamento pesado para seu exército de chipanzés e deu armas para cada um dos macacos.

O dia do massacre estava chegando, e Nicolau estava nervoso, ele poderia ser preso pelo resto da vida ou morrer em combate, mas não aparentava nenhuma emoção. Sua mãe não sabia do dinheiro guardado por Nicolau e não suspeitou de nada. Silvia nunca foi muito atenciosa, pois Nicolau sempre foi muito independente.

Finalmente o dia tão esperado chegou. 138 chimpanzés armados até os dentes estavam esperando à hora do ataque. Era um dia escuro, frio e com neblina. Nicolau estava escondendo por baixo de seu cachecol um sorriso maléfico.

Ele entrou na sala e se sentou bem no fundo e no meio da penúltima aula sacou seu violão e começou a tocar a música sertaneja, e os primatas invadiram a sala de aula armados com arcos e flechas, metralhadoras, bazucas, granadas de gás lacrimogêneo e tacos de beisebol, com espuma escorrendo da boca e sangue nos olhos, prontos para fazer a maior destruição em uma escola da história, quando por acaso Nicolau errou uma nota da música e os chipanzés começaram a ferir a si mesmos e jogar granadas de gás lacrimogêneo uns nos outros, e em um ataque de fúria, quebraram todas as armas, e todos se mataram, e nenhum dos que praticavam bullying com Nicolau se feriu, apenas um garoto morreu, Alfonso, que era melhor amigo de Nicolau. Nicolau observando toda aquela cena ficou muito puto, e sem ver (graças ao gás) atacou a primeira pessoa que ele viu, e quebrou o violão na cabeça de Maria Lúcia, a garota que Nicolau era apaixonado desde o maternal. Conseqüentemente, Maria Lúcia morreu também.

Nicolau ficou muito puto, quando percebeu que gastou seu dinheiro em armas que quebraram, e deixou sua mãe morrendo e gastou meses treinando macacos que se mataram, e que nenhum de seus inimigos se feriu e que seu melhor amigo e seu amor tinham morrido, que seu violão quebrara e que não poderia mais conseguir dinheiro tocando violão e  que ainda por cima seus olhos ardiam por causa do gás lacrimogêneo, então saiu correndo desesperadamente em direção á sua casa e tropeçou nas escadas e quebrou um braço.

Nicolau foi internado em uma clínica para psicopatas por sete meses, quando fugiu e recebeu a notícia de que sua mãe havia se recuperado da sua doença e que estava procurando por Nicolau. Ele poderia simplesmente ir para casa e morar com sua mãe, mas ele não conseguiria acordar todas as manhãs e olhar para o dedão de sua mãe e lembrar de sua triste história, então decidiu ir para a floresta e viver com os macacos…

CONTINUA, NA SEGUNDA PARTE DE “A TRISTE HISTÓRIA DE NICOLAU”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s